APCS Cascavel - Associação dos Policias, Cabos e Soldados de Cascavel/PR
Central de Atendimento
(45) 3036-7339
O DEVER DE RESPEITO AOS POLICIAIS MILITARES
Mais uma vez um título de matéria jornalística chama atenção pela falta de tratamento adequado ao policial militar vítima de roubo (por pouco um latrocínio) destacando, ao contrário, a circunstância de que um infrator da lei (“adolescente”) foi atingido por disparo de arma enquanto “tentava” assaltar.
Notem a sutileza no maquiavélico título publicado no jornal Agora, de 21/11/2015, que subverte a ordem dos fatos: “Adolescente é baleado ao tentar assaltar PM à paisana”.
O próprio texto da matéria descreve que o policial vítima, à paisana (sem uniforme), estava parado com sua motocicleta  em um semáforo em Itaquera, zona leste, quando dois homens exigiram sua moto e sua mochila e, depois de tudo entregue em razão da ameaça (roubo consumado, portanto), um dos bandidos ainda disse ao garupa que atirasse na vítima. Ato contínuo, o policial militar se abaixou e atirou contra os criminosos, que fugiram. A moto roubada foi encontrada depois e um dos envolvidos, ferido, foi localizado e confessou participação no assalto.
Causa indignação e repulsa o tratamento que a imprensa escrita  repetidamente vem dispensando ao policial militar, apresentando-o como algoz porque atirou – em legítima defesa – para não morrer ou para defender outras vítimas. Naquele momento, como vítima, ele se defendeu de um assaltante armado, depois da perda de todos os seus pertences e diante de grave ameaça de morte, é o que relatou a própria matéria e o título camuflou.
O leitor que passa os olhos rapidamente no título capta a informação corrompida de que “um adolescente foi vítima”, quando na verdade é ele o algoz, o malfeitor, o infrator da lei que, provavelmente, roubará e matará outras pessoas. Por outro lado, passa-se a predominante mensagem de que o policial militar  (que sofreu roubo consumado e que quase morreu) foi quem “baleou um menor.”…
Título correto, portanto: “Policial militar vítima de roubo atira para não morrer”.
É tempo de se exigir respeito aos verdadeiros heróis da sociedade. Policiais militares, os cidadãos de bem, os leitores dos jornais, todos eles merecem esse respeito por meio da correta divulgação da verdade dos fatos. Especialmente no título das matérias.
Adilson Luís Franco Nassaro
Coronel PM Chefe do Centro de Comunicação Social da PMESP Fonte: Policial BR
Veja mais notícias